Apenas um tipo de inovação?

roda vermelha

“Pretty much, Apple and Dell are the only ones in this industry making money. They make it by being Wal-Mart. We make it by innovation” (Steve Jobs, fundador e CEO da Apple )

“Innovation by definition will not be accepted at first. It takes repeated attempts, endless demonstrations and monotonous rehearsals before innovation can be accepted and internalized by an organization. This requires ‘courageous patience.’” (Warren Bennis, academico e consultor) “It is not how many ideas you have, it is how many you make happen.” 

Se por um lado a penicilina, o eletromagnetismo e a psicanálise foram inovações que alteraram profundamente nossas vidas e nossa forma de pensar, as fraldas descartáveis, o post-it e o e-mail resolveram problemas cotidianos de modo satisfatório sem grandes alterações filosóficas. O que será que estas inovações possuem em comum? Elas fazem parte de um continuum de inovações, que começa com aquelas que são incrementais (ou seja, pequenas variações de produtos ou serviços existentes), passa por inovações consideradas semi-radicais e chega às inovações radicais (também chamadas de inovações de ruptura). Com esta classificação percebemos que inovações diferem entre si em função do tipo de ruptura que elas possuem com ideias anteriores e com o impacto nos negócios e nas sociedades. Como vimos no post anterior, as inovações radicais são menos frequentes que as incrementais (o que é esperado) e tendem a gerar maior lucratividade para as empresas. Porém, os processos de geração e avaliação de ideias (“funil da inovação”) não conseguem produzir apenas um tipo de inovação: as propostas que surgem atingem qualquer ponto do continuum de inovação. Algumas ideias, incrementais ou não, são aprovadas e muitas são rejeitadas.

“The best way to have a good idea is to have a lot of ideas.” (Linus Pauling)

“In every work of genius, we recognize our once rejected thoughts.” (Ralph Waldo Emerson)

Dentro do ambiente de negócios, uma forma de classificar as inovações é verificar o distanciamento delas em relação a dois critérios: tecnologia e modelos de negócios. Em função das possíveis combinações entre estas duas variáveis é possível chegar ao quadro abaixo:

Graphic 2

Processos de geração de ideias: quando a ciência encontra a arte

“In every work of genius, we recognize our once rejected thoughts.” (Ralph Waldo Emerson)

No primeiro parágrafo deste texto usei o termo “funil de ideias” que vem a ser uma representação do processo de seleção de ideias. De modo bastante simplificado, o funil mostra que muitas ideias e projetos são gerados internamente pela organização; alguns destes projetos são descartados ao passo que alguns poucos são promovidos à fase seguinte. Note que algumas ideias podem surgir fora dos limites da organização – conceito de open innovation -, e algumas ideias são originadas dentro da empresa, porém são desenvolvidas fora dos limites da organização. Ou seja, o funil é poroso porque permite entrada e saída de ideias. Para os leitores mais pacientes, entrarei em maiores detalhes sobre os processos e modelos de inovação no próximo artigo.

Graphic 3

Pergunta provocativa: Em tua opinião, quais seriam duas inovações que causaram grandes impactos nas sociedades? Por exemplo, acho que elevadores e aparelhos de ar-condicionado causaram mudanças importantes no Séc XX, porque permitiram a construção de prédios elevados, o que aumentou a densidade populacional nas cidades. Esta fato causou impactos econômicos positivos para empresas (aumento de eficiência e transmissão de informação mais efetiva) e negativos para a população (diminuição da qualidade de vida). Quais seriam suas inovações preferidas?

Link para post sobre definições, motivadores, graus e dimensões da Inovação aqui.

Link para post Quem é Quem em Inovação aqui.

Link para post 10 Faces da Inovação aqui.

Link para imagem da roda vermelha aqui.

Anúncios

4 comentários sobre “Apenas um tipo de inovação?

  1. Edelcio Sardano disse:

    Pensando em uma resposta para a “pergunta provocativa”, a meu ver, após a II Grande Guerra, a indústria cinematográfica e, anos após, a pílula anticoncepcional, tiveram importante impacto social com consequências para a economia global, devido a mudanças nos padrões estéticos, morais e comportamentais, que ao lado dos rápidos processos de industrialização e urbanização, alimentaram o crescimento do consumo de massa.

    • Olá Edélcio, bons comentários. A II GM e a pílula provocaram mudanças importantes, que ainda ocorrem em maior ou menor grau, dependendo da sociedade em que estamos. Por exemplo, a liberação feminina ainda está em estágio inicial em algumas sociedades.

      Abs,

      EK

  2. diva maddalena disse:

    professor, mais recentemente, penso que o telefone móvel mudou as relações comerciais e pessoais, criando espaços de interação inexistentes ou difíceis de alcançar sem ele.
    mas, como mulher, não posso deixar de achar que a pílula anticoncepcional é a mais conhecida e importante inovação social do século passado, por razões mais do que conhecidas.
    abs.

    • Olá Diva,

      obrigado pela tua mensagem. Mais um voto para a pílula anticoncepcional. Em relação à telefonia móvel (e à internet móvel, que veio a reboque) ela trouxe impactos importantes, sobretudo aos meios rurais onde a telefonia fixa não conseguiria chegar.

      EK

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s