Quem é Quem em Internacionalização: Prof. Afonso Fleury.

foto fleuryProfessor titular da Universidade de São Paulo. Graduação em Engenharia Naval e Oceânica (1970) pela Universidade de São Paulo, M.Sc. pela Stanford University (1975) e Ph.D. (1978) em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo (USP). Dentre suas atribuições acadêmicas foi membro do Comitê Assessor do CNPq, CA-EP, no período 2003-2006 e chefe do Departamento de Engenharia de Produção (USP) nos períodos 1991-3, 1995-7, 2003-7. Desenvolve trabalhos nas áreas de Organização do Trabalho, Gestão da Tecnologia e da Engenharia, Gestão de Operações Globais e Internacionalização de Empresas. Na condição de Visiting Scholar trabalhou junto ao Institute of Development Studies da University of Sussex, Tokyo Institute of Technology, Laboratoire Territoire, Technologies et Societés da Ecole Nationale des Ponts et Chaussés e Institute for Manufacturing da University of Cambridge. Desenvolveu estudos e projetos para o International Labour Office, a United Nations University, para o PNUD/UNCTAD, entre outros. É Associate Editor do Journal of Manufacturing Technology Management, Regional Editor do Operations Management Research, e membro do Conselho Editorial de várias revistas brasileiras. Atualmente é Vice-President for Americas do POMS – Production and Operations Management Society.

Vamos continuar a série de entrevistas com pesquisadores cujas áreas de interesse envolvem o estudo de internacionalização de empresas. Desde já agradecemos a disponibilidade do Prof. Fleury em responder algumas perguntas sobre estratégia de empresas multinacionais brasileiras e seus processos de expansão internacional.

  1. Em que sentido as multinacionais brasileiras são diferentes de multinacionais de outros países?

As diferenças são marcantes. Enquanto no Brasil as empresas possuem pouco apoio institucional vindo do governo federal, na China a internacionalização de empresas faz parte de uma política de Estado chamada “Going Global”, que estimula as firmas a expandirem-se em mercados internacionais. Deste modo, a internacionalização de empresas chinesas passa a ser para, o governo chinês, uma estratégia de inserção mundial do país. Note que isto é diferente da política brasileira de financiamento a juros subsidiados e de escolha de “campeões nacionais” que temos visto no Brasil há alguns anos.

Em relação às empresas indianas, percebemos que elas já possuem mentalidade internacionalizada há muito tempo. As relações empresariais estabelecidas desde o período da colonização britânica geraram facilidade de internacionalização. Por exemplo, o grupo Tata possui um escritório em Londres desde 1904.

Outra diferença que impacta as multinacionais da Índia e da China é que estes países possuem projetos de desenvolvimento de tecnologia ligados à defesa nacional, o que causa transferência vertical de tecnologia e consequente espalhamento de capacitação tecnológica para outras empresas.

Por fim, percebemos uma questão cultural ligada ao nível de agressividade empreendedora do empresário brasileiro, que é muito tímido quando comparado com empresários chineses ou indianos. Enquanto os executivos indianos e chineses buscam mais inovação e expansão internacional de seus negócios, o executivo nacional, fora honrosas exceções, parece mais conservador. Falta ao executivo nacional o “espírito animal” descrito por Schumpeter.

  1. Quais os tópicos emergentes em internacionalização de multinacionais brasileiras?

Acredito que os principais tópicos que influenciarão as agendas das multinacionais, tanto de países emergentes quanto de países mais desenvolvidos, são a preocupação com práticas éticas ligadas à atuação das multinacionais em mercados externos e o apoio institucional de governos aos processos de internacionalização de empresas de seus países, como vimos na resposta anterior. Atualmente no Brasil existem investigações sobre casos de corrupção envolvendo multinacionais. As grandes empresas deverão, cada vez mais, se preocupar com os processos internos em suas subsidiárias.

Por fim, o desenvolvimento de negócios simultaneamente sustentáveis e economicamente viáveis também será um tema que impactará todas as empresas, sejam multinacionais ou não, sejam de países emergentes ou de países mais industrializados.

  1. Em função do baixo crescimento mundial o Sr. acha que existe o risco de o processo de internacionalizacao de multinacionais brasileiras desacelerar, ou mesmo reverter?

Acredito que não. Creio que a maioria das grandes empresas brasileiras que deveriam se internacionalizar já o fizeram e, deste modo, o número empresas multinacionais brasileiras tende a se estabilizar. Por outro lado, creio que cada vez mais veremos pequenas e médias empresas brasileiras (PME)  internacionalizadas, seja em busca por competências e/ou novos mercados.

  1. Quais são suas pesquisas atuais?

Estamos desenvolvendo alguns trabalhos interessantes. Com a universidade de Manchester estamos trabalhando em torno do assunto regulação do trabalho em empresas multinacionais e por enquanto chamamos este trabalho de Rising Power. Estamos também com uma linha de pesquisa com a universidade de Cambridge, onde investigamos modelos de gestão de operações internacionais. Por fim, investigamos os efeitos de transbordamento de tecnologias (spillover effects), entre Brasil e China. Pensa-se que estes efeitos de transbordamento são automáticos, porém na verdade isto não ocorre. Por exemplo, algumas empresas realizam investimento externo direto (foreign direct investment) em mercados emergentes, porém percebemos que o efeito de transbordamento não ocorre. Percebemos que é necessária uma ação governamental para criar condições ou regulações de modo que este transbordamento ocorra.

Prezado Prof. Fleury, paramos por aqui esta breve conversa. Gostaria de agradecer as tuas palavras e o tempo propiciado aos leitores deste blogue. Até breve.

Anúncios

2 comentários sobre “Quem é Quem em Internacionalização: Prof. Afonso Fleury.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s